Zéfiro | Guilherme da Fonseca-Statter
Utilizamos cookies para dar uma melhor experiência e eficiência de navegação. Ao navegar no site estará a consentir a sua utilização.
Entendi
Por favor aguarde

Guilherme da Fonseca-Statter

Guilherme da Fonseca-Statter é natural de Custóias do Douro, concelho de Vila Nova de Foz Côa, onde nasceu em 1941.

Em 1957 começou a trabalhar em Lisboa, como empregado de livraria, logo a seguir à conclusão do Curso Geral de Comércio na antiga Escola Comercial Veiga Beirão. Depois de cumprir o serviço militar obrigatório (comissão de serviço em Moçambique) trabalhou durante cerca de 35 anos no ramo da Informática e em diversos países, designadamente na África Austral (Moçambique, Zâmbia e África do Sul) Portugal e Espanha.

Tendo começado como programador de computadores, veio a desempenhar diversas funções técnicas, comerciais e de quadro de gestão, nos diversos países onde trabalhou. No exercício dessas actividades profissionais teve que estudar detalhadamente e participar na informatização de múltiplos processos e procedimentos em vários sectores de actividades económicas, designadamente na banca, em companhias mineiras, em caminhos de ferro e ainda em diversas actividades fabris.

Com a aproximação da idade de reforma dedicou-se, como trabalhador-estudante, ao estudo formal ou académico das questões relativas ao impacto das novas tecnologias da informação sobre o resto da sociedade. Muito em particular no que diz respeito ao funcionamento do sistema capitalista e seus reflexos sobre a situação de subdesenvolvimento dos países africanos. 
Licenciou-se em Sociologia do Trabalho, pelo Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas da Universidade Técnica de Lisboa em 1996, tendo obtido em 2006 o doutoramento em Estudos Africanos pelo ISCTE – Instituto Superior de Ciências do Trabalho e da Empresa.

Actualmente é membro do Centro de Estudos Africanos do ISCTE onde tem leccionado, de modo intermitente, matérias relacionadas com o desenvolvimento social e económico em África.

No que diz respeito a intervenção política, na sua juventude teve ocasião de algum activismo, designadamente na crise académica de 1961, quando frequentava o antigo Instituto Comercial de Lisboa. Pode também dizer-se que, na qualidade de profissional de Informática e quadro directivo de uma empresa multinacional de Informática, tem levado uma banal e muito pacata vida de “cidadão do mundo” mas, no entanto, sempre atento às coisas do capitalismo e às gritantes desigualdades sociais e económicas que tem tido ocasião de observar in loco, designadamente durante os muitos anos de vivência em África.

Na Zéfiro publicou Os “Erros” de Marx e as Asneiras dos Outros e Anatomia da Crise.

Anatomia da Crise

Preço: 10.71 € 11.90 €